Cuiabá, 18 de Maio de 2024
Icon search

CUIABÁ

Brasil Quinta-feira, 14 de Março de 2024, 16:18 - A | A

Quinta-feira, 14 de Março de 2024, 16h:18 - A | A

VEJA VÍDEO

Homem espia vizinho pelo muro e morre com tiro na cara

g1

Imagens de câmera de segurança registraram o momento em que Bruno Júnior, de 33 anos, foi morto com um tiro no rosto depois subir no mudo de casa, no distrito de Pirapó, em Apucarana, norte do Paraná.

De acordo com a polícia, testemunhas disseram que ouviram tiros na casa vizinha, onde acontecia uma confraternização. A vítima tentou ver por cima do muro o que estava acontecendo e foi atingida.

O caso aconteceu no sábado (9). A vítima morreu na hora, segundo a Polícia Militar (PM). O atirador foi identificado como Agnaldo da Silva Oroski, de 41 anos, e preso nesta quinta-feira (14).

O g1 tenta localizar a defesa de Agnaldo para comentar sobre o caso. À polícia, o suspeito alegou legítima defesa.

No vídeo, é possível ver que Bruno caminha em um corredor com duas pessoas, depois sobe no muro e observa a casa vizinha. Uma mulher parece conversar com Bruno, quando ele volta a olhar para outro lado, é baleado e cai no chão. Veja o vídeo acima.

A vítima morreu antes da chegada da equipe médica.

Após o crime, o homem fugiu e se apresentou à polícia dois dias depois. Conforme a polícia, a prisão foi autorizada na quarta-feira (13) após um mandado judicial.

Empresário diz que atirou em legítima defesa

Durante depoimento, Agnaldo disse que agiu por legítima defesa porque pensou que a casa dele estava sendo invadida, conforme o delegado André Garcia.

"Ele teria ouvido barulho no telhado, então teria saído com a arma em punho. Nesse momento, teria visto um homem tentando pular o muro dele", disse.

Testemunhas relataram ao contrário, afirmando que o atirador havia disparado diversas vezes antes de atingir Bruno.

Na casa de Agnaldo, a polícia apreendeu a arma usada no crime, uma pistola 380, além de espingardas e munições.

O suspeito está preso na cadeia pública de Londrina. Ele pode responder por homicídio qualificado, sendo fútil e por recurso que dificultou a defesa da vítima, conforme o delegado.

 
Cuiabá MT, 18 de Maio de 2024