Cuiabá, 21 de Junho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Cidades Domingo, 30 de Outubro de 2022, 14:29 - A | A

Domingo, 30 de Outubro de 2022, 14h:29 - A | A

OUTUBRO ROSA

Ação preventiva da UBS Guia atende 70 mulheres; Bisavó de 85 anos faz alerta que a prevenção é muito importante

Eliana Bess/Prefeitura de Cuiabá

Assim que a Unidade Básica de Saúde (UBS) do Distrito da Guia, cerca de 30 km de Cuiabá, abriu as portas no início da manhã de quinta-feira (27), o espaço foi rapidamente ocupado por várias mulheres em busca de atendimento.  As moradoras das localidades de Três Pedras, Bueno, Rio Azul, Muriçoca, Lajinha, Lavrinha e Bugio eram aguardadas para receber a programação especial do Outubro Rosa, preparada pelos profissionais da Secretaria Municipal de Saúde, através da Coordenadoria de Atenção Primária.  As ações foram realizadas até às 16h, com a presença de mais de 30 profissionais, entre eles médicos, enfermeiras, odontólogo e terapeutas ocupacionais.

No dia 27, 70 mulheres foram atendidas, sendo 32 mamografias encaminhadas, 55 testes rápidos e 43 CCO realizados. Nas ações terapêuticas foram 19 atendimentos de auriculoterapia, 48 orientações de uso correto de plantas medicinais com práticas de chás terapêuticos, 10 atendimentos psicológicos, 9 de assistência social, 26 benzimentos e 89 pré consultas (11 delas de homens que precisaram dos serviços de saúde).

 

“Bacana ver o PSF cheio, isso demonstra que vocês estão atentas em se cuidarem. No geral, as mulheres cuidam de tudo e de todos, mas poucas tiram tempo para si. Então, é muito bonito ver aqui esse autocuidado, essas mulheres tomando essa iniciativa em prol da sua saúde. Mas que não seja só no Outubro Rosa, e sim o ano todo, pois os exames preventivos de câncer de mama e de colo de útero (CCO) estão disponíveis nas unidades de saúde. Que vocês se amem, porque quem se ama se cuida”, pontuou o coordenador técnico da Atenção Primária Wilson Cutas, na abertura dos trabalhos.

Entre as pacientes, Abília Verônica de Santana, de 85 anos. Viúva e mãe de 7 filhos, “seis vivos”, como ela  fez questão de frisar, também contabiliza seis netos e cinco bisnetos, esperava tranquilamente sua vez. Nascida e criada na roça, a moradora da região de Lajinha, confessou que tem receio do médico quando o assunto é para tratar da saúde intima.

“Tenho vergonha, mas a gente vai fazer o quê, né minha filha?”, declarou dona Abília.

Mas a “vergonha”, apontada por ela, não a deixou se omitir em buscar os cuidados. Pelo contrário, sempre procura atendimento na UBS da Guia e aconselha que as pessoas precisam se cuidar.

 “Ainda mais que hoje em dia as coisas são bem mais fáceis que antigamente. Muito do que precisamos vem até nós, olha aqui (se referindo à unidade de saúde), cuidam muito bem de nós, não só hoje, mas sempre que a gente precisa”, declarou esboçando alegria.

Dona Claudete Pinheiro da Mata de Camargo, 55 anos, sabe bem o que a vergonha pode ocasionar. Ela perdeu a sogra aos 80 anos, vítima de câncer no útero. “Minha sogra, por vergonha, não ia ao médico ginecologista. Escondia que já estava afetada pela doença. Uma médica foi na casa dela, mas já não tinha mais jeito. Ela morreu no dia em que ia fazer a cirurgia. Eu não me descuido, e aqui o posto de saúde é tudo para nós. Chegou é atendido”, disse ela, sentada ao lado de sua irmã Cecília Pinheiro da Mata e Silva, 60 anos, que também foi participar da ação. Cecília disse que ali na unidade de saúde elas são de casa, muito bem atendidas e recebidas sempre com carinho pela equipe.

“É muito gratificante ver essa reciprocidade de carinho entre nossos profissionais e a comunidade atendida. Demonstra que a gestão humanizada preconizada pelo  prefeito Emanuel Pinheiro está sendo levada a sério e com responsabilidade pelos nossos profissionais. O melhor resultado é ver a população manifestar que está sendo atendida satisfatoriamente com as ações seja na cidade ou na área rural”, frisou a secretária municipal de saúde, Suelen Alliend.

A programação também incluía, até as 16h, além dos exames preventivos de câncer de mama e de preventivo de câncer de colo de útero (CCO), atendimento médico e psicológico, testes rápidos,  serviço social, orientação e higienização bucal, diversas práticas integrativas e sorteio de brindes.  Um café da manhã também foi preparado para todas as participantes.

Odilza Josefa de Anunciação, 52, nascida e criada no Distrito da Guia, foi uma das que sentiu uma sensação de bem estar e tranqüilidade após a auriculoterapia e sessão de benzimento. “Nunca tinha feito isso. Nossa, uma novidade para mim”, disse ao mostrar os pontos chaves marcados pela auriculoterapia, que no caso dela, apontavam para sintomas ligados ao sistema nervoso central.

“Fiz reiki. Que sensação diferente, de leveza. Muito bom. Precisam vir mais vezes esses atendimentos aqui para nós, não só no outubro rosa. A auriculoterapia, meu Deus, também muito bom”, destacou Angélica Virgínia da Trindade, 31. Além das terapias citadas, ela também passou pelo benzimento. Ela nunca tinha passado por nenhum desses cuidados.

Marinete de Oliveira Ribeiro, coordenadora das UBS Rurais, que essa receptividade dos moradores é sempre muito boa quando oportunizada as ações. “São sempre muito receptivos, sempre prontos em participar. Isso é muito bom porque o trabalho resulta em condições melhores para eles mesmos e esse acompanhamento de perto diminui as necessidades ”, frisou ao destacar a parceria e dedicação da técnica de enfermagem, Sulbene Maria Pereira, que conduz as ações na UBS Guia desde a fundação, bem como toda a equipe.

IMPORTÂNCIA DO CUIDADO

Natacha Antunes Gonçalves dos Santos, uma das profissionais médicas  que atua no Rio dos Peixes e que deu uma força no atendimento,  explicou para participantes, a importância do toque, do autoexame, de realizar o exame preventivo (CCO) e a mamografia, que serve para rastrear o câncer de mama. “Se exames de alguma de vocês aparecerem com alteração não é preciso se alarmar, se desesperar. Calma, são exames para rastreamento da doença. As alterações, e aqui estamos falando de CCO e de mamografias, se não cuidadas podem levar ao câncer. Mas a boa notícia é que podemos  tratar, e que a gente pode acompanhar”, pontuou Natália, informando ainda, que toda doença detectada no início tem quase 100% de chance de cura.

“Torcemos que os exames sejam como de rotina, só para acompanhamento. Mas se aparecer algum problema, não pensem que é o fim da estrada. É o começo do tratamento”, disse Cutas, encorajando as mulheres.

 
Cuiabá MT, 21 de Junho de 2024