Cuiabá, 18 de Julho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Cidades Sexta-feira, 14 de Maio de 2021, 13:40 - A | A

Sexta-feira, 14 de Maio de 2021, 13h:40 - A | A

SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Grávida tem parto prematuro após tomar vacina; bebê luta pela vacina

Márcia Oliveira | Defensoria Pública

A Defensoria Pública tenta agilizar, com urgência, vaga em UTI Neonatal com Centro Cirúrgico Pediátrico, desde a noite de quinta-feira (13/5), para transferir o bebê, cuja mãe entrou em trabalho de parto aos sete meses e meio. Além do parto prematuro, o que torna o caso gravíssimo é que a criança, assim que nascer, deve passar por uma cirurgia que os médicos avaliam, deve ocorrer até o 12h desta sexta-feira (14/5).

A paciente está internada desde quarta-feira (12/5) no Centro de Obstetrícia do Hospital São Luiz, em Cáceres, 219 km de Cuiabá, com perda de líquido amniótico. A defensora pública plantonista, Carolina Weitikiewic, entrou com uma ação de obrigação de fazer contra o Estado de Mato Grosso e o município de Araputanga, onde a paciente mora, após tentar a vaga administrativamente, sem sucesso.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias em tempo real (clique aqui)

Carolina explica que em Cáceres a paciente conta com vaga na UTI Neonatal, mas não há Centro Cirúrgico Pediátrico. O que coloca em risco a vida do bebê, que foi diagnosticado com má formação denominada “onfalocele”, que se caracteriza pela presença de órgãos, como intestino, fígado ou baço, fora da cavidade abdominal, recobertos apenas por uma fina membrana.

“Estavamos correndo contra o tempo desde a noite de ontem para encontrar um local para o nascimento e a cirurgia, pois a médica que acompanha o caso afirma que, se a cirurgia for feita em Cáceres e depois o bebê tiver que ser transferido, as chances de sobrevida dele serão muito baixas. Ela entrou em trabalho de parto 24h após tomar a vacina coronavac”.

A defensora lembra que todas as respostas da Saúde Pública para o pedido de transferência, até o momento, foram negativas, com a informação de que não existe leito no Sistema Único de Saúde (SUS) para atender ao caso.

Diante das negativas da Central de Regulação, Carolina protocolou a ação na Vara Regional de Araputanga, na qual pede que a gestante seja transferida para um hospital privado, em Mato Grosso ou no país, para que a vida dela e do seu filho sejam preservadas.

“Precisávamos de uma decisão judicial ou administrativa que viabilizasse a vaga, urgentemente, para resguardar a vida do bebê e da mãe. Porém, enquanto tentávamos, ela teve que ser levada para a sala do parto e a criança vai nascer aqui. Agora vamos continuar com a ação para transferi-lo para uma UTI Neonatal, com um Centro Cirúrgico, e rezar para ele resistir”.

Cuiabá MT, 18 de Julho de 2024