Cuiabá, 16 de Julho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Economia Sábado, 12 de Junho de 2021, 10:58 - A | A

Sábado, 12 de Junho de 2021, 10h:58 - A | A

AUXÍLIOS E 13º

Liberação de renda eleva previsão de vendas

As vendas no setor supermercadista cresceram 4% no 1º quadrimestre de 2021, ante o mesmo período de 2020. O percentual é medido pelo Índice Nacional de Consumo dos Lares Brasileiros Abras, feito pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Os bons resultados registrados nos estabelecimentos aumentaram o otimismo dos pesquisadores, que já preveem superar a previsão de crescimento de 4,5%, neste ano.

FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias em tempo real (clique aqui).

A retomada e previsão de continuidade do pagamento do auxílio emergencial é um dos fatores que levam a essa projeção. Sinais desse crescimento já foram observados no mês de abril, quando os supermercados superaram em 2,77% o desempenho registrado no mesmo período de 2020.

“A alta das vendas já reflete a volta do auxílio emergencial pago às famílias e está em linha com as projeções da Abras. Na comparação de abril de 2021 com abril do ano passado, a evolução de 2,77% é sólida, porque é calculada sobre um movimento intenso das famílias que buscaram abastecer as casas diante dos primeiros reflexos da pandemia”, reforça Marcio Milan, vice-presidente Administrativo e Institucional da Abras.

Nesses quatro primeiros meses avaliados pelo índice, o mês de março foi o mais negativo, com queda de 4,82% nas vendas, mesmo tendo um dia a mais de compras que abril. O recuo no consumo em março é um reflexo do retorno gradativo de alguns trabalhadores para expedientes presenciais. Com isso, um movimento de volta da alimentação fora do lar pesou sobre o resultado dos supermercados.

Até o fim do ano os supermercados projetam crescimento de 4,5%, mas a estimativa será revisada ao final deste mês, podendo ser ainda maior.

“O pagamento antecipado da primeira parcela do décimo terceiro de aposentados e pensionistas injeta R$ 25,3 bilhões ao todo; e o primeiro lote de restituição do Imposto de Renda, cerca de R$ 6 bilhões, favorecerão o consumo. Lembrando que as famílias destinam, aproximadamente, 60% de suas rendas para alimentação”, avalia o vice-presidente da Abras.
A possibilidade de nova prorrogação do auxílio emergencial, até setembro, também deve influenciar o aumento das vendas em 2021.

Cuiabá MT, 16 de Julho de 2024