Cuiabá, 26 de Maio de 2024
Icon search

CUIABÁ

Judiciário Quinta-feira, 14 de Março de 2024, 19:36 - A | A

Quinta-feira, 14 de Março de 2024, 19h:36 - A | A

SEM ESCAPATÓRIA

Justiça mantém pensão de Carlos Bezerra à mãe da mulher que ele matou

Da Redação

O desembargador Sebastião de Moraes Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), negou o pedido de Carlos Alberto Gomes Bezerra para não pagar pensão alimentícia à mãe da mulher que ele matou. Carlos está preso pelo assassinato de Thays Machado e de seu namorado, William Moreno, no dia 18 de janeiro de 2023, em Cuiabá. A mãe de Thays processou o assassino da filha para receber pensão, pois era a filha que a sustentava. A decisão é desta quarta-feira, 13 de março.

“Isto posto conheço do recurso e nego-lhe provimento, no sentido de manter a decisão acatada, por estes e por seus próprios fundamentos”, decidiu.

Carlos foi condenado a pagar três salários mínimos para a mãe de Thays, após ela provar que recebia ajuda da filha para se manter. A defesa de Carlos Bezerra já havia tentado reverter a decisão no último 30 de janeiro e pediu novamente a suspensão.

Na decisão atual, o desembargador sustentou que o embargo apresentado pela defesa só pode ser usado para corrigir vícios e possíveis erros na decisão, não sendo possível questionar o mérito da decisão tomada.

“Os Embargos de Declaração não se prestam para a mera insurgência da parte com relação à decisão impugnada, não sendo possível nessa via o questionamento do mérito do agravo de instrumento, o qual sequer foi julgado pelo Colegiado. A finalidade dos embargos é tão somente a correção de eventuais vícios e erros materiais existentes em decisão”, explicou.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Cuiabá MT, 26 de Maio de 2024