Cuiabá, 24 de Julho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Judiciário Quarta-feira, 10 de Março de 2021, 10:27 - A | A

Quarta-feira, 10 de Março de 2021, 10h:27 - A | A

DIFAMAÇÃO

Unimed quer prisão de médicos que inventaram rombo de R$ 100 milhões

Gabriel Soares

A Unimed Cuiabá denunciou à Justiça os médicos Ricardo Antônio Gonsales e Gilmar Ferreira do Espírito Santo. Eles são suspeitos de realizar denúncias falsas e difamatórias contra a diretoria da operadora de saúde, acusando-os de praticar crimes fiscais e promover um rombo de R$ 100 milhões nas contas da cooperativa. A ação foi protocolada nesta terça-feira (9).

Na petição, assinada pelo advogado Helio Nishiyama, a Unimed aponta que Ricardo e Gilmar se juntaram para difamar a diretoria da Unimed Cuiabá como forma de retaliação pela suspensão do contrato de prestação de serviço com a clínica Oncomed, da qual Gilmar é sócio.

A diretoria da Unimed pede a condenação dos médicos a dois anos de prisão, conforme art. 139 do Código Penal, agravado pelo art. 141, inciso III; art. 70; e art. 29.

“Os elementos probatórios coligidos nos autos demonstram, com clareza, a concorrência dos querelados Gilmar e Ricardo na prática do delito de difamação”, diz trecho da denúncia.

Conforme a denúncia, Gilmar e Ricardo se juntaram para fazer uma série de falsas acusações contra a diretoria da Unimed Cuiabá. As denúncias foram feitas por meio de um e-mail falso, com o nome de Sergio Moro, ex-juiz e ex-ministro da Justiça, que foi encaminhado à Auditoria Independente CSS, responsável por analisar as contas da Unimed Cuiabá, e à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

O esquema foi revelado por um ato falho dos médicos. Gilmar e Ricardo teriam contratado uma banca de advogados para elaborar um parecer jurídico contra a Unimed Cuiabá, com base em documentos supostamente distorcidos. Só que essa mesma banca de advogados presta serviços para o Sistema Unimed e, por um equívoco, teria encaminhado a nota fiscal do parecer para a operadora de saúde pagar.

A cobrança feita pelo escritório de advocacia apontava que o serviço havia sido encomendado pelos médicos “Dr. Ricardo” e “Dr. Gilmar”. Contudo, o sobrenome de Ricardo foi escrito errado e, por isso, ele não foi incluído na denúncia inicial, apresentada à Polícia Civil no dia 20 de janeiro. Em busca do nome real, a Unimed processou o Google, que forneceu os dados usados para criar a conta de e-mail.

Dessa forma, foi constatado que o telefone de Ricardo Gonsales foi usado na criação do e-mail falso e, posteriormente, para disseminar, de forma anônima, as denúncias falsas contra a cooperativa. Os dados apresentados pelo Google também revelaram que o endereço de IP utilizado para criar o e-mail aponta para a localização da Clínica Doyon, sediada em Tangará da Serra, da qual Gonsales é sócio.

Ricardo Gonsales é presidente da Unimed Vale do Sepotuba, conselheiro da Unicred-MT e diretor financeiro da Unimed Federação Mato Grosso. Já Gilmar Ferreira é médico oncologista e dono da clínica Oncomed, especializada em radioterapia.

Cuiabá MT, 24 de Julho de 2024