Cuiabá, 21 de Junho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Opinião Domingo, 16 de Outubro de 2022, 10:13 - A | A

Domingo, 16 de Outubro de 2022, 10h:13 - A | A

FÁBIO JOSÉ BONAFÉ SOTELO

O artista que sonha!

Fábio José Bonafé Sotelo

“Febre, hemoptise, dispneia e suores noturnos. A vida inteira que podia ter sido e que não foi. Tosse, tosse, tosse. Mandou chamar o médico: - Diga trinta e três. - Trinta e três... Trinta e três... Trinta e três... - Respire - O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado. - Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax? - Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.”

A poesia única e singular de Manuel Bandeira, publicada há 92 anos, traduz a cicatriz que uma vida marcada sob a sombra da espera da morte pela algoz doença traz sobre a vida do flagelado, sendo que a única ponta de esperança do enfermo repousa no seu médico.

 

O termo médico deriva do latim mederi que significa saber ou trilhar o melhor caminho, sendo o medicus aquele que é o responsável por percorrer essa trilha. Assim, Manuel Bandeira, como muitos enfermos, buscava neste conhecimento médico o caminho tão citado por Hipócrates de: “quando puder cure, quando não puder melhore, mas sempre atenue” o impacto da doença sobre os doentes.

Desde às origens, a ação de curar foi concebida mais como uma arte do que como uma técnica, aliando o status de primum non nocere (antes não prejudicar) à capacidade de ajudar o doente em seus aspectos mais amplos (psicológico, social e biológico). Dessa forma, a arte médica vem se aprimorando ao longo dos séculos e, desde o século XX, incorporou a base de dados de evidências clínicas populacionais para ampliar o potencial de resultados favoráveis nos tratamentos das numerosas doenças existentes.

O médico, então, como todo artista, é em sua base um sonhador, capaz de abnegar de seu conforto e até sua vida para a arte de tratar. E como com um escultor, trabalhar a pedra bruta de seu espírito para atingir o melhor para seu paciente. Sofre, angustia-se, estuda, questiona, corrige, ajusta, mas não deixa de se importar e estar ao lado do “leito do enfermo”. E isso, isso sim faz a diferença! Como fez durante toda a pandemia de Covid e durante muitas pandemias ao longo da história. Conflui o espírito positivista ao humanista.

Resiste bravamente ao utilitarismo e em deixar transformar a sua arte em mero artigo comercial, mesmo nos dias de hoje, com a tendência do domínio do capital sobre as necessidades populacionais e sobre o espírito de fraternidade.

Assim, o ser Médico, isso mesmo, Médico com M maiúsculo, com orgulho, vocação e dedicação, é mais que um emprego ou um trabalho, é uma forma de enxergar a humanidade leve, com fé em seu futuro pautado sob o prisma da ética, da paz, da liberdade, igualdade e fraternidade.

Esse sentimento sublime pôde ser traduzido por Mário de Andrade em seu livro “Há uma gota de sangue em cada poema”, com sua estrofe: “Ter razão é levar pelo atalho da fé. E as greis humanas, pela primavera. Quando a terra toda é florida como uma quimera. Conduzir para a luz, para a alegria. Para tudo que é róseo e que é risonho. Para tudo que é poema ou sinfonia, para o arrebol, para a esperança, para o sonho!...”

Dr. Fábio José Bonafé Sotelo é angiologista, cirurgião vascular e diretor de Defesa Profissional da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo (SBACV-SP)

 
Cuiabá MT, 21 de Junho de 2024