Cuiabá, 22 de Julho de 2024
Icon search

Cáceres

Opinião Sábado, 08 de Maio de 2021, 11:24 - A | A

Sábado, 08 de Maio de 2021, 11h:24 - A | A

EDITORIAL - 08/05/2021

Uma questão de senso

Em meio à matança desenfreada que o novo coronavírus tem causado e às sequelas da pandemia na economia, a notícia de que o censo foi cortado das prioridades do governo passou batida para muita gente, embora não devesse. O apagão estatístico causado pelo corte da mais importante pesquisa sobre a população brasileira causará impactos negativos por um longo tempo, principalmente agora que precisamos traçar políticas públicas eficientes que ajudem a garantir a recuperação econômica pós-pandemia.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias em tempo real (clique aqui).

O levantamento que tradicionalmente é feito a cada virada de década foi suspenso em 2020 por motivos óbvios. Diante da emergência pandêmica tão nova à época, não era plausível que pesquisadores fossem bater de porta em porta para passar um questionário à população. Um ano depois, conhecendo cuidados necessários para evitar contágios, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) já tinha elaborado protocolos capazes de garantir o recenseamento sem causar uma nova crise sanitária. Não contava, porém, com a sagacidade de nossa classe política, que preferiu converter os recursos do censo em emendas parlamentares do que conhecer a realidade brasileira.

O que se sucedeu na aprovação do Orçamento deste ano foi um escárnio tamanho que a própria presidente do IBGE não conseguiu engolir e preferiu deixar o cargo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tenta empurrar para o Congresso Nacional a responsabilidade por tamanha falta, mas uma análise em nossa história recente mostra que o conhecimento sobre a realidade da população brasileira jamais foi uma prioridade. Em 2019, Guedes já havia dito que era necessário cortar algumas questões do censo, sob o argumento de que “perguntar demais poderia revelar coisas que nem queria saber”. Ignora o fato de que o censo brasileiro é uma referência mundial, devido à qualidade e complexidade de seus dados.

Como tem feito com várias outras questões de responsabilidade do governo federal, Mato Grosso pode tomar para si a responsabilidade de fazer o censo no estado. Afinal, os prejuízos que a desatualização desses dados pode trazer são especialmente grandes para um estado que cresce em velocidade tão rápida quanto o nosso. Entre outras coisas, os dados do censo são utilizados para definir investimentos públicos e repasses de recursos federais necessários para garantir a prestação de serviços essenciais à população, como Saúde e Educação.

Superar os efeitos da pandemia exigirá informações de qualidade sobre a população e as dificuldades que ela enfrenta, para que sejam traçadas medidas eficazes na corrida pela recuperação. Mato Grosso pode largar na frente, mais uma vez, ao tomar as rédeas da situação.

Cuiabá MT, 22 de Julho de 2024