Cuiabá, 25 de Junho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Polícia Terça-feira, 20 de Setembro de 2022, 11:24 - A | A

Terça-feira, 20 de Setembro de 2022, 11h:24 - A | A

OPERAÇÃO SAMANTHA

Seis suspeitos são alvos da polícia por desaparecimento de cabeleireira em Cáceres

Assessoria | Polícia Civil-MT

A Polícia Civil de Mato Grosso, por meio da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cáceres, deflagrou nesta terça-feira (20.09), a Operação Samantha para cumprimento de seis mandados judiciais contra alvos investigados pelo desaparecimento da cabeleireira Samantha Armando Lima da Silva, de 28 anos.

Foram cumpridas duas ordens de prisão temporária e quatro mandados de busca e apreensão domiciliar, decretados pelo juízo da 1ª Vara Criminal de Cáceres, após a representação da delegada DEDM, Paula Gomes Araújo.

O cumprimento dos mandados contou com apoio das equipes da Delegacia Regional, 1ª Delegacia (Cisc) e Delegacia Especial de Fronteira, além do Corpo de Bombeiros.

 

Investigações e prisões

As investigações da DEDM de Cáceres iniciaram após a transexual e cabeleireira Samantha desaparecer em 8 de junho do ano passado, depois que saiu para fazer atender uma cliente na região do Facão e nunca mais retornou.

No decorrer da investigação, um mototaxista, que deu carona para a vítima no dia do seu desaparecimento, foi preso no final do mês passado, em Alta Floresta.

Nesta terça-feira, a Polícia Civil prendeu uma mulher de 42 anos e um homem de 45 anos, investigados por envolvimento no desaparecimento da vítima. O homem tem diversas passagens criminais, inclusive, com condenação pelos crimes de tráfico de drogas e roubo majorado.

Em um dos endereços alvos das buscas, os policiais apreenderam, na casa de um armeiro da cidade, diversas armas de fogo, espingardas, munições e um revólver calibre 38.

A delegada Paula Araújo explica que, embora não tenha sido localizado o corpo, todos os elementos colhidos até o momento apontam que as três pessoas presas até o momento estão envolvidas no desaparecimento de Samantha.

“A Polícia Civil pede a qualquer pessoa com informações, que levem ao paradeiro do corpo da vítima, para entrar em contato pelo 197. O sigilo da informação é garantido”, reforça a delegada.

As investigações continuam para a conclusão do inquérito. As prisões temporárias têm prazo de 30 dias.

 
Cuiabá MT, 25 de Junho de 2024