Cuiabá, 18 de Julho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Política Quinta-feira, 17 de Junho de 2021, 15:35 - A | A

Quinta-feira, 17 de Junho de 2021, 15h:35 - A | A

PROJETO DE LEI

Deputado quer que agressores de animais paguem por tratamento veterinário

Assessoria de Imprensa

Quem cometer crimes de maus-tratos com animais em Mato Grosso terá que pagar as despesas de assistência veterinária e demais gastos decorrentes da agressão. A proposta é do deputado estadual Faissal Calil (PV), que apresentou na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) o Projeto de lei (PL) de nº 530/2021 que pretende punir o agressor em seu bolso, além da esfera criminal.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias em tempo real (clique aqui).

O texto foi apresentado pelo deputado na sessão da manhã de quarta-feira (16) e agora passará pelo processo de tramitação na Casa. Faissal afirma que a proposta é de suma importância para a causa animal, pois além de punir os agressores na esfera criminal, também atingirá estes criminosos em seus bolsos. O deputado destacou ainda que esta iniciativa já é aplicada em outros estados do país.

“Este PL visa punir financeiramente as pessoas que cometerem maus-tratos a animais. Se algum hospital veterinário tiver algum gasto para tratar animais abandonados ou maltratados, os agressores deverão ser responsabilizados. Eles deverão ressarcir estes custos aos cofres públicos. Isto já é lei em outros estados e hoje estamos apresentando este projeto aqui, para que ele entre em vigência em Mato Grosso também”, explicou o deputado.

Na justificativa da proposta, o deputado destacou que a Constituição Federal veda qualquer prática que submeta os animais a crueldade ou agressão. O parlamentar destacou que, segundo o dispositivo constitucional, é dever do Estado e da coletividade zelar pelos animais e, ao mesmo tempo, impedir práticas que os submetam a crueldade.

“O projeto de lei visa cumprir com o dever do Estado de zelar pelo bem-estar animal. Além da responsabilização criminal, é necessário responsabilizar o agressor pelos danos decorrentes do seu ilícito. O Estado deve atuar de modo multifacetado, na educação, na conscientização e sendo sancionador. Não se pode esperar, apenas, que cada ser humano, que cada consciência, faça o seu papel no respeito à dignidade animal”, apontou.

Cuiabá MT, 18 de Julho de 2024