Cuiabá, 20 de Maio de 2024
Icon search

CUIABÁ

Política Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024, 11:16 - A | A

Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024, 11h:16 - A | A

MOBILIDADE URBANA

"O VLT Cuiabano ainda está sendo avaliado; MM não fala pelo ministro da Casa Civil", diz Emanuelzinho

Da Redação

Vice-líder do Governo na Câmara Federal, o deputado federal Emanuelzinho (MDB), afirmou nesta segunda-feira, 15 de janeiro, que o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) Cuiabano continua sendo analisado no novo PAC do Governo Federal.

O parlamentar acredita que a informação divulgada pela revista IstoÉ, de que o chefe da Casa Civil do Palácio e coordenador-geral do PAC III, Rui Costa, teria ligado para o governador Mauro Mendes (União Brasil), avisando que não será possível incluir o VLT na lista de projetos do programa devido ao modal estar em “desuso”, seria uma informação plantada pelo próprio governador ou um “erro” da própria revista.

“Está no PAC e é de consulta pública. O PAC divide em vários segmentos, e abriram cadastro de propostas até dezembro de 2023. Cuiabá fez o cadastro no PAC, e várias propostas foram eliminadas de outras cidades. Pediram para Cuiabá fazer adequações no projeto e foi pré-aprovado, caminhando para o PAC até a aprovação definitiva. O ministro Alexandre Padilha anunciou que o Governo Federal tem a intenção de investir pesado no VLT e, agora, depende da Prefeitura de Cuiabá", disse Emanuelzinho.

Segundo ele, a revista IstoÉ disse apenas que o governador ouviu isso e que o ministro ligou para ele. "Ele não tem o direito de colocar palavras na boca do ministro. Se o ministro tivesse dito, poderia ter feito isso publicamente. Foi irresponsabilidade da IstoÉ ou do governador. A agenda é pública, teremos agendas no Ministério das Cidades e Casa Civil sobre o VLT Cuiabá”, explicou durante entrevista à rádio Cultura FM.

O parlamentar anunciou que na próxima quarta-feira (17) participará de uma reunião na Casa Civil para tratar sobre mobilidade urbana de Cuiabá. Emanuelzinho garante também que o governo federal solicitou o projeto técnico e executivo. Para ele, é impossível que o ministro Rui Costa tenha dito que o VLT esteja em “desuso”, uma vez que o estado dele, a Bahia, tem pretensões de comprar os vagões de Mato Grosso.

“O governo da Bahia está fazendo negociações com o governo do Estado de Mato Grosso, mas eu quero explicar o seguinte, esses R$ 4,9 bilhões são a fundo perdido e serão dados a Cuiabá. Ele é carimbado para a mobilidade urbana. Se não vier em VLT, não pode ir para Saúde ou Educação. Se não vier para Cuiabá, irá para outra cidade para a mobilidade urbana. E faltou Mauro Mendes dizer uma coisa, Rui Costa trocou no seu estado o BRT pelo VLT, e que o BRT é atrasado para o estado da Bahia”, concluiu.

Com relação a prazos e execução da obra, o deputado explicou que o projeto licitatório é feito pelo próprio governo federal.

"Em março, ocorre o anúncio de todos os municípios do Brasil, se conseguiram os recursos do PAC para a mobilidade, inclusive Cuiabá. A licitação será feita pelo governo federal. O prefeito Emanuel não vai entregar essa obra. E, com a conclusão da licitação, até o meio do ano, iniciarão as obras do VLT”, finalizou o deputado, garantindo que a cidade pode ter o BRT executado pelo estado e o VLT executado pelo governo federal, por meio da Prefeitura de Cuiabá.

 

 
Cuiabá MT, 20 de Maio de 2024