Cuiabá, 18 de Maio de 2024
Icon search

CUIABÁ

Opinião Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2024, 07:35 - A | A

Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2024, 07h:35 - A | A

FABRICIO MURAKAMI

Bets regulamentadas: O que esperar da publicidade a partir de agora?

Fabricio Murakami*

O fenômeno das Bets no Brasil é uma verdade incontestável. O Brasil já representa um dos maiores mercados globais do setor, movimentando cifras bilionárias.

Quando se trata de publicidade, o país não fica atrás. Basta assistir a uma partida de futebol para constatar a presença de letreiros, logotipos estampados nas camisas dos clubes e placas publicitárias de casas de apostas.

A regulamentação do setor de apostas esportivas e outras verticais de jogos online, aprovada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 30 de dezembro de 2023, deve impulsionar ainda mais o segmento. A lei 14.790, que estabelece regras claras para a publicidade das casas de apostas, era uma demanda antiga do setor, que antes era apenas legalizado, sem diretrizes de como operar, desde 2018.

O Conar, órgão responsável pela autorregulamentação da publicidade no Brasil, publicou o Anexo X, que determina as regras para as mensagens publicitárias desse segmento.

As novas regras proíbem a publicidade direcionada a crianças e adolescentes, a promoção de apostas compulsivas e torna mandatório a veracidade das informações. Também exigem que as mensagens sejam claras e transparentes, informando os riscos envolvidos nas apostas.

O objetivo é garantir que as ações de marketing e publicidade sejam responsáveis e éticas, contribuindo para um ambiente seguro para os apostadores e operadores.

Eu como CMO da Pay4Fun, primeira instituição de pagamento, que atua no setor de apostas esportivas, a receber a autorização do Banco Central do Brasil, acredito que as mudanças na regulamentação devem impactar o setor de várias maneiras. Em primeiro lugar, devem garantir uma maior cautela com a publicidade das bets, uma vez que as empresas terão que ser mais cuidadosas com o público-alvo de suas campanhas. O uso do símbolo “18+” ou o aviso da proibição para menores de 18 anos deve se tornar mais comum, evitando que crianças e adolescentes sejam expostos ao estímulo ao jogo.

Em segundo lugar, as novas regras devem aumentar a qualidade da publicidade do setor. As empresas terão que investir mais em conteúdo relevante e informativo, destacando os riscos envolvidos nas apostas e incentivando o jogo responsável. Mensagens de conscientização sobre a importância de apostar com moderação e de procurar ajuda, caso se desenvolva alguma patologia relacionada ao jogo, serão obrigatórias neste cenário.

Também serão proibidos mensagens e ideias que prometam o lucro fácil ou ganhos garantidos como, "fique rico", "ganhe uma renda extra" ou "pague suas contas jogando", apontando sempre para a importância de apostar com moderação e de procurar ajuda, caso se desenvolva qualquer tipo de ludopatia, evitando mensagens que incitem ao jogo compulsivo.

Qual é o futuro do marketing esportivo das Bets?

Não há dúvidas de que o futuro do marketing esportivo do mercado Bet no Brasil é promissor. O setor é lucrativo e tem um grande potencial de crescimento. Com a regulamentação aprovada, as empresas do setor agora terão que se adaptar às novas regras, o que resultará em mudanças significativas nas campanhas publicitárias, para garantir a segurança dos apostadores.

A regulamentação também trará sanções para as empresas que não empregarem de forma responsável suas ações de marketing e publicidade. Isso vai ajudar a garantir que as campanhas sejam feitas de forma ética e responsável, evitando o assédio e a manipulação dos consumidores.

A mensagem das campanhas deverá ser transparente e cautelosa. As empresas não deverão promover o jogo como uma forma de ganhar dinheiro ou renda extra. As campanhas vão enfatizar a importância do jogo responsável, mostrando que as apostas esportivas devem ser encaradas como uma forma de entretenimento.

Com isso, a tendência é de que as casas de apostas continuem a investir em marketing esportivo, publicidade e patrocínio, buscando formas criativas, diferentes e mais responsáveis de se comunicar com os consumidores.

*Fabricio Murakami é CMO e cofundador da Pay4Fun, com experiência em Gestão de Produtos e histórico no segmento de jogos de apostas on-line. Especialista em Planejamento de Negócios, Publicidade, Gestão, Tecnologia da Informação e Planejamento Estratégico

 
 
Cuiabá MT, 18 de Maio de 2024