Cuiabá, 22 de Julho de 2024
Icon search

CUIABÁ

Política Quinta-feira, 22 de Abril de 2021, 14:24 - A | A

Quinta-feira, 22 de Abril de 2021, 14h:24 - A | A

ADIADO NOVAMENTE

TRE forma maioria para manter cassação de Avallone por caixa dois

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) já formou maioria para manter a cassação do deputado estadual Carlos Avallone (PSDB). O julgamento foi retomado nesta quinta-feira (22), mas foi novamente suspenso após um pedido de vistas do juiz Armando Biancardini Cândia. O tema volta ao Pleno do TRE na próxima segunda-feira (26).

Avallone é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter praticado abuso de poder econômico e caixa dois durante a eleição de 2018. A denúncia como base a apreensão, pela Polícia Rodoviária Feeral, de R$ 89 mil dentro de um carro que estava cheio de adesivos do candidato Avallone.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba as notícias em tempo real (clique aqui).

O caso foi denunciado no TRE e, em dezembro de 2020, a Corte Eleitoral determinou a cassação do mandato do deputado e a anotação de inelegibilidade por oito anos. Avallone recorreu da decisão ao Pleno do TRE.

Os magistrados Bruno D’Oliveira Marques, Fábio Henrique Rodrigues De Moraes Fiorenza, Gilberto Giraldelli e Sebastião Barbosa Farias já apresentaram seus votos e decidiram por manter a cassação.

O advogado Rodrigo Mudrovitsch, que patrocina a defesa de Avallone, tenta reverter a cassação com o argumento de que o vídeo gravado por um policial rodoviário federal seria inválido para o julgamento, já que teria sido editado. As imagens mostram a apreensão do dinheiro e do material de campanha no veículo dirigido por Luiz da Guia.

A defesa também alega que o TRE desconsiderou o depoimento de Luiz da Guia, que alegava inocência e afirmava que o dinheiro não seria usado para compra de votos.

Além de Biacardini, faltam os pareceres de Gilberto Lopes Bussiki e Jackson Coutinho. Mas ainda que o trio atenda o pedido da defesa de Avallone, ele deve perder a “batalha” no TRE, já que a maioria do Pleno decidiu por sua cassação.

Caso seja cassado no Tribunal Regional, o parlamentar ainda poderá recorrer da decisão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), enquanto permanece no cargo.

CONFIANTE

Em entrevista ao Estadão Mato Grosso na última terça-feira (20), Avallone disse que está confiante na Justiça e que está se defendendo de forma legal dentro do processo. Ele afirmou ainda que está convicto de que será absolvido da acusação.

“Estou aguardando o devido julgamento e compreendendo que a justiça funciona dessa forma, onde tem as instâncias de recursos, de provas, de conversas e estamos trabalhando nessa linha. Vou deixar isso para os advogados tratarem, mas a tese é muito clara, primeiro fui acusado de compra de votos, depois se mudou as alegações finais para caixa 2, e eu não me defendi de caixa 2, eu me defendi de compra de votos e ficou claro que não comprei”, detalhou.

Cuiabá MT, 22 de Julho de 2024